10 reasons to visit Portugal…!!!

ESTÁ A DAR A VOLTA AO MUNDO – 10 reasons to visit Portugal…

Estas imagens são espectaculares e faremos alguma coisa pelo nosso País se
as divulgarmos o mais possível, acima de tudo para o estrangeiro.

CLIQUE

PORTUGAL – COMUNICADO IMPORTANTE

Tranquilizem-se aqueles que se preocupavam com 2012:

“O FIM DO MUNDO, em Dezembro de 2012, foi cancelado em Portugal porque o país não tem capacidade financeira para receber um evento desse porte.”

________________________________

Portugal, candidato a Prémio Nobel da Física

Este ano Portugal será um forte candidato ao prémio da Nobel da Física!

Depois da descoberta do átomo, do neutrão, do protão e do electrão, em Portugal acabou de ser descoberto o Pelintrão. E como se caracteriza o Pelintrão?

O pelintrão é um tuga sem massa e sem energia, mas que suporta qualquer carga!

________________________________

História de Portugal (muito condensada)


Tudo começou com um tal Henriques que não se dava bem com a mãe
E acabou por se vingar na pandilha de mauritanos
que vivia do outro lado do Tejo.

Para piorar ainda mais as coisas, decidiu casar com uma espanhola qualquer

e não teve muito tempo para lhe desfrutar do salero
porque a tipa apanhou uma camada de peste negra e morreu.

Pouco tempo depois, o fulano, que por acaso era rei,
bateu também as botas e foi desta para melhor.
/>

Para a coisa não ficar completamente entregue à bicharada,
apareceu um tal João que, ajudado por um amigo de longa data
que era afoito para a porrada, conseguiu pôr os espanhóis a enformar pão
e ainda arranjou uns trocos para comprar uns barcos ao filho
que era dado aos desportos náuticos.
De tal maneira que decidiu pôr os barcos a render
e inaugurou o primeiro cruzeiro marítimo entre Lisboa e o Japão
com escalas no Funchal, Salvador, Luanda, Lourenço Marques, Ormuz,
Calecute, Malaca, Timor e Macau.

Quando a coisa deu para o torto,
ficou nas lonas, só com um pacote de pimenta para recordação
e resolveu ir afogar as mágoas,
provocando a malta de Alcácer-Quibir para uma cena de estalo.

Felizmente, tinha um primo, o Filipe, que não se importou
de tomar conta do estaminé até chegar outro João
que enriqueceu com o pilim que uma tia lhe mandava do Brasil
e acabou por gastar tudo em conventos e aquedutos.

Com conventos a mais e dinheiro a menos,
as coisas lá se iam aguentando até começar tudo a abanar
numa manhã de Novembro.

Muita coisa se partiu. Mas sem gravidade porque, passado pouco tempo,
já estava tudo arranjado outra vez,
graças a um mânfio chamado Sebastião que tinha jeito para o bricolage
e não era mau tipo apesar das perucas um bocado amaricadas.

Foi por essa altura que o Napoleão nos bateu à porta a perguntar
se podia ficar com isto. Levou com os pés dos ingleses que queriam o mesmo.
Outro João tinha dois filhos e queria pôr o Pedro a brincar com o irmão mais
novo, o Miguel,
mas este teve uma crise de ciúmes e tratou de armar confusão
que só acabou quando levou um valente puxão de orelhas do mano
que já ia a caminho do Brasil para tratar de uns negócios.

A malta começou a votar mas as coisas não melhoraram grande coisa
E foi por isso que um Carlos anafado levou um tiro nos coiratos
quando passeava de carroça pelo Terreiro do Paço.

O pessoal assustou-se com o barulho, escondeu-se num buraco e vieram os
republicanos que meteram isto numa guerra onde ninguém nos queria.
Na Flandres levámos tiros que fartou
disparados por alemães. Ao intervalo, já perdíamos por muitos
mas o desafio não chegou ao fim porque uma Senhora vestida de branco
apareceu a flutuar por cima de uma azinheira
e três pastores deram primeiro em doidos, depois em mortos
e mais tarde em beatos.

Se não fosse por um velhote das Beiras, a confusão tinha continuado
mas, felizmente, não continuou e Angola continuava a ser nossa
mesmo que andassem para aí a espalhar boatos.

Comunistas dum camandro!
Tanto insistiram que o velhote se mandou do cadeirão abaixo
e houve tamanha rebaldaria que foi preciso pôr um chaimite
e um molho de cravos em cima do assunto.
Depois parece que houve um Mário qualquer que assinou um papel
que nos pôs na Europa e ainda teve tempo para transformar uma lixeira
numa exposição mundial e mamar uma seca da Grécia na final do futebol.

E o Cavaco ?
O Cavaco foi com o Pai Natal e o palhaço no comboio ao circo…

E depois já você conhece a história toda, perdido o Ultramar metemo-nos na
toca da Europa e pedimos asilo à CEE que depois mudou para U.E. (União
Europeia) que mandou pra cá uma fortuna que não soubemos administrar, pois o
dinheiro foi parar a bolsos de malandros e vigaristas. E depois de vários
des…governos eis que surge um dirigido por um tal de nome grego, que se
viu metido em truques golpistas, e isto caiu na bancarrota, e lá fomos pedir
“batatinhas! ao FMI (um banco que resolve os problemas dos pobres paises
aflitos) ….Depois apareceu um tal de Coelho que deu Passos para pôr fim à
rebalderia, e lá se foi outra vez para eleições cujo resultado fez cair o
tal grego, que ficou pior que estragado e agora diz que não quer jogar mais
aos “policias e ladrões” e vai descansar para a Caparica por largos anos.

AGORA TEMOS QUE PENAR PARA PAGAR O QUE DEVEMOS AO TAL DE FMI E ISTO VAI
FICAR NEGRO. SÓ NOS RESTA AGUARDAR SE O TAL DE COELHO VIRA EM CAÇADOR E
COMEÇA A DAR UNS TIROS NOS “PATRIOTAS” QUE INFESTAM ESTE TORRÃ0IZINHO À
BEIRA-MAR PLANTADO, E ENTRETANTO TEMOS MUITO QUE REZAR À TAL SENHORA DE
BRANCO QUE APARECEU NUMA AZINHEIRA, PARA NOS AJUDAR A SAIR DESTA ENCRENCA
!!!

VIVA PORTUGAL

Já apanhaste uma destas???

Já estão a circular as novas notas de Euro em Portugal

Bandeira Nacional colocada no espaço!

JÁ NÃO ERA SEM TEMPO !
GRANDE EMOÇAO – Bandeira Nacional colocada no espaço!

A promessa do nosso ex-Primeiro cumpriu-se: “O Céu é o limite”
Havia bandeiras por tudo quanto era carro e janela, mas… no espaço?!?
É incrível! Vejam a foto da Bandeira de Portugal no Espaço!!!
A gente fala mal do nosso País… Mas quando se depara com uma imagem
destas, enchemo-nos de orgulho!!

VIVA PORTUGAL

Portugal & Inglaterra em conto de fadas

[cid:6BF3A123AF3049F784CD2F60D27A637A@FernandoPC]

[cid:ADE3FD4A0DF840F5A6FB557C3889D9BD@FernandoPC]

O Governo no Facebook

Exclusivo – Fotografia do pedido de ajuda financeira

O Estado de Portugal

Cavaco Silva encontra-se com Obama e Lula da Silva.

No meio da conversa, Lula abre a camisa e mostra o peito.

– Isto é como o Brasil, forte e invejado!!!

Obama desce as calças, vira o rabo e diz:

– Isto é como a América, impenetrável!!!

Cavaco, desce as calças e, mostrando o pirilau, diz:

– Isto é como Portugal, nunca mais se vai levantar!!!

Pouca Vergonha!

Há 1 picha por cada 11 ratas em Portugal … esta é a realidade que temos …
Não comecem já a pôr as vossas mentes conspurcadas a pensar em poucas vergonhas … que eu não mando mails desses …
Isto é apenas um pouco de cultura geral.

Muita Rata e Pouca Picha…

Não, não são palavrões, é apenas Geografia!!!

Ora vejam as localizações:

PICHA – existe em Pedrógão Grande.

RATA – existe em Arruda dos Vinhos, Beja, Castelo de Paiva, Espinho, Maia, Melgaço, Montemor-o-Novo, Murça, Santarém, Santiago do Cacém e Tondela.

Temos assim em Portugal uma Picha… para onze Ratas!!!!

Aprendam que eu não duro sempre…

SÓCRATES ORA A JESUS

Sócrates vai a uma igreja e se ajoelha na frente de Jesus crucificado,
rezando:

*Sócrates:* Jesus, estou totalmente arrependido e gostaria de redimir meus
pecados.

*Jesus:* Esta bem. Que tens feito?

*Sócrates*: Depois de estes meus anos de governo estou deixando o povo
arruinado e na miséria…

*Jesus:* Dê graças ao Pai!

*Sócrates:* Traí o povo que me deu os seus votos!

*Jesus:* Dê graças ao Pai!

*Sócrates:* Economizei verbas da Saúde, da Educação, da Segurança, etc.
etc., as quais foram encher os bolsos de alguns.

*Jesus:* Dê graças ao Pai!

*Sócrates:* Comprei carros topo de gama para a Assembleia, para os
magistrados e tantos outros.

*Jesus:* Dê graças ao Pai!

*Sócrates:* Protegi as roubalheiras do Vara, do Godinho, do Rendeiro, do
Jardim, do Oliveira Costa e tantos outros.

*Jesus: *Dê graças ao Pai!

*Sócrates:* Permiti que alarves como o Mexia, Pedro Soares, Zeinal, Coelho,
e mais uma mão cheia deles fossem agraciados com chorudos prémios com verbas
tiradas do bolso do contribuinte.

*Jesus:* Dê graças ao Pai!

*Sócrates:* Pus à cabeça dos Ministérios autênticos alarves que só fizeram
burricadas na Educação, na Saúde, na Segurança, etc..

*Jesus:* Dê graças ao Pai!

*Sócrates:* Mancomunei-me com Presidente do Supremo Tribunal de Justiça, com
o Procurador Geral da República e outros tantos biltres da sua igualha, para
que dessem cobertura às minhas manigâncias.

*Jesus: *Dê graças ao Pai!

*Sócrates:* Meti-me naquela alhada dos exames feitos ao Domingo, nas casas
lá na Parvónia, no Freeport, na Maddie, nas sucatas, no TGV, na nova ponte,
e em outras tantas que não vale a pena enumerar…

*Jesus:* Dê graças ao Pai!

*Sócrates:* Dei apoio ao Hugo Chavez, o maior bandido da América Latina.

*Jesus:* Dê graças ao Pai!

*Sócrates:* Mas, Jesus, estou realmente arrependido e a única coisa que Vós
tendes para me dizer é: *“Dê graças ao Pai”*?

*Jesus:* *Sim, agradece ao Pai por eu estar aqui pregado na cruz, porque
senão desceria dela para te encher de porrada, seu ignorante, analfabeto,
deslumbrado, traidor, ladrão sem vergonha, mentiroso, golpista, corrupto,
aproveitador…. Vai trabalhar, vagabundo!!!!!*

Europa vista por um português

Como escolher o destino de férias

DEPUTADOS DO REINO UNIDO... SÃO DIFERENTES DOS DEPUTADOS PORTUGUESES...

Francês

DEPUTADOS NO REINO UNIDO…

Não é de estranhar, mas é interessante saber…como tudo é diferente………
Os deputados do Reino Unido, na “Mãe dos Parlamentos”,
1 . não têm lugar certo onde sentar-se, na Câmara dos Comuns;
2 . não têm escritórios, nem secretários, nem automóveis;
3 . não têm residência (pagam pela sua casa em Londres ou nas províncias); detalhe: e pagam, por todas as suas despesas, normalmente, como todo e qualquer trabalhador;
4 . não têm passagens de avião gratuitas, salvo quando ao serviço do próprio Parlamento.
E o seu salário equipara-se ao de um Chefe de Secção de qualquer repartição pública.
Em suma, são SERVIDORES DO POVO e não PARASITAS do mesmo.
A propósito, sabiam que, em Portugal, os funcionários não Deputados que trabalham (???) na Assembleia têm um subsidio equivalente a 80% do seu vencimento? Isto é, se cá fora ganhasse 1000,00EUR lá dentro ganharia 1800,00EU.
Porquê? Profissão de desgaste rápido?!!…
E porque é que os jornais não falam disto?!

PACTO SECRETO?

Camara dos Lordes:

Senado Francês:

Parlamento Português:

todo o espaço, todos com microfones, computadores e microfones.. ao menos estamos na vanguarda!

Miguel Sousa Tavares

Nao sei se é dele.. mas seja de quem for…

_____

cid:F25DDA0D7E94432FA4A47A6487E895C5@MASTERPC

Segunda-feira passada, a meio da tarde, faço a A-6, em direcção a Espanha e na companhia de uma amiga estrangeira; quarta-feira de manhã, refaço o mesmo percurso, em sentido inverso, rumo a Lisboa. Tanto para lá como para cá, é uma auto-estrada luxuosa e fantasma. Em contrapartida, numa breve incursão pela estrada nacional, entre Arraiolos e Borba, vamos encontrar um trânsito cerrado, composto esmagadoramente por camiões de mercadorias espanhóis. Vinda de um país onde as auto-estradas estão sempre cheias, ela está espantada com o que vê:
– É sempre assim, esta auto-estrada?
– Assim, como?
– Deserta, magnífica, sem trânsito?
– É, é sempre assim.
– Todos os dias?
– Todos, menos ao domingo, que sempre tem mais gente.
– Mas, se não há trânsito, porque a fizeram?
– Porque havia dinheiro para gastar dos Fundos Europeus, e porque diziam que o desenvolvimento era isto.
– E têm mais auto-estradas destas?
– Várias e ainda temos outras em construção: só de Lisboa para o Porto, vamos ficar com três. Entre S. Paulo e o Rio de Janeiro, por exemplo, não há nenhuma: só uns quilómetros à saída de S. Paulo e outros à chegada ao Rio. Nós vamos ter três entre o Porto e Lisboa: é a aposta no automóvel, na poupança de energia, nos acordos de Quioto, etc. – respondi, rindo-me.
– E, já agora, porque é que a auto-estrada está deserta e a estrada nacional está cheia de camiões?
– Porque assim não pagam portagem.
– E porque são quase todos espanhóis?
– Vêm trazer-nos comida.
– Mas vocês não têm agricultura?
– Não: a Europa paga-nos para não ter. E os nossos agricultores dizem que produzir não é rentável.
– Mas para os espanhóis é?
– Pelos vistos…
Ela ficou a pensar um pouco e voltou à carga:
– Mas porque não investem antes no comboio?
– Investimos, mas não resultou.
– Não resultou, como?
– Houve aí uns experts que gastaram uma fortuna a modernizar a linha Lisboa-Porto, com comboios pendulares e tudo, mas não resultou.
– Mas porquê?
– Olha, é assim: a maior parte do tempo, o comboio não ‘pendula’; e, quando ‘pendula’, enjoa de morte. Não há sinal de telemóvel nem Internet, não há restaurante, há apenas um bar infecto e, de facto, o único sinal de ‘modernidade’ foi proibirem de fumar em qualquer espaço do comboio. Por isso, as pessoas preferem ir de carro e a companhia ferroviária do Estado perde centenas de milhões todos os anos.
– E gastaram nisso uma fortuna?
– Gastámos. E a única coisa que se conseguiu foi tirar 25 minutos às três horas e meia que demorava a viagem há cinquenta anos…
– Estás a brincar comigo!
– Não, estou a falar a sério!
– E o que fizeram a esses incompetentes?
– Nada. Ou melhor, agora vão dar-lhes uma nova oportunidade, que é encherem o país de TGV: Porto-Lisboa, Porto-Vigo, Madrid-Lisboa… e ainda há umas ameaças de fazerem outro no Algarve e outro no Centro.
– Mas que tamanho tem Portugal, de cima a baixo?
– Do ponto mais a norte ao ponto mais a sul, 561 km.
Ela ficou a olhar para mim, sem saber se era para acreditar ou não.
– Mas, ao menos, o TGV vai directo de Lisboa ao Porto?
– Não, pára em várias estações: de cima para baixo e se a memória não me falha, pára em Aveiro, para os compensar por não arrancarmos já com o TGV deles para Salamanca; depois, pára em Coimbra para não ofender o prof. Vital Moreira, que é muito importante lá; a seguir, pára numa aldeia chamada Ota, para os compensar por não terem feito lá o novo aeroporto de Lisboa; depois, pára em Alcochete, a sul de Lisboa, onde ficará o futuro aeroporto; e, finalmente, pára em Lisboa, em duas estações.
– Como: então o TGV vem do Norte, ultrapassa Lisboa pelo sul, e depois volta para trás e entra em Lisboa?
– Isso mesmo.
– E como entra em Lisboa?
– Por uma nova ponte que vão fazer.
– Uma ponte ferroviária?
– E rodoviária também: vai trazer mais uns vinte ou trinta mil carros todos os dias para Lisboa.
– Mas isso é o caos, Lisboa já está congestionada de carros!
– Pois é.
– E, então?
– Então, nada. São os especialistas que decidiram assim.
Ela ficou pensativa outra vez. Manifestamente, o assunto estava a fasciná-la.
– E, desculpa lá, esse TGV para Madrid vai ter passageiros? Se a auto-estrada está deserta…
– Não, não vai ter.
– Não vai? Então, vai ser uma ruína!
– Não, é preciso distinguir: para as empresas que o vão construir e para os bancos que o vão capitalizar, vai ser um negócio fantástico! A exploração é que vai ser uma ruína – aliás, já admitida pelo Governo – porque, de facto, nem os especialistas conseguem encontrar passageiros que cheguem para o justificar.
– E quem paga os prejuízos da exploração: as empresas construtoras?
– Naaaão! Quem paga são os contribuintes! Aqui a regra é essa!
– E vocês não despedem o Governo?
– Talvez, mas não serve de muito: quem assinou os acordos para o TGV com Espanha foi a oposição, quando era governo…
– Que país o vosso! Mas qual é o argumento dos governos para fazerem um TGV que já sabem que vai perder dinheiro?
– Dizem que não podemos ficar fora da Rede Europeia de Alta Velocidade.
– O que é isso? Ir em TGV de Lisboa a Helsínquia?
– A Helsínquia, não, porque os países escandinavos não têm TGV.
– Como? Então, os países mais evoluídos da Europa não têm TGV e vocês têm de ter?
– É, dizem que assim entramos mais depressa na modernidade.
Fizemos mais uns quilómetros de deserto rodoviário de luxo, até que ela pareceu lembrar-se de qualquer coisa que tinha ficado para trás:
– E esse novo aeroporto de que falaste, é o quê?
– O novo aeroporto internacional de Lisboa, do lado de lá do rio e a uns 50 quilómetros de Lisboa.
– Mas vocês vão fechar este aeroporto que é um luxo, quase no centro da cidade, e fazer um novo?
– É isso mesmo. Dizem que este está saturado.
– Não me pareceu nada…
– Porque não está: cada vez tem menos voos e só este ano a TAP vai cancelar cerca de 20.000. O que está a crescer são os voos das low-cost, que, aliás, estão a liquidar a TAP.
– Mas, então, porque não fazem como se faz em todo o lado, que é deixar as companhias de linha no aeroporto principal e chutar as low-cost para um pequeno aeroporto de periferia? Não têm nenhum disponível?
– Temos vários. Mas os especialistas dizem que o novo aeroporto vai ser um hub ibérico, fazendo a trasfega de todos os voos da América do Sul para a Europa: um sucesso garantido.
– E tu acreditas nisso?
– Eu acredito em tudo e não acredito em nada. Olha ali ao fundo: sabes o que é aquilo?
– Um lago enorme! Extraordinário!
– Não: é a barragem de Alqueva, a maior da Europa.
– Ena! Deve produzir energia para meio país!
– Praticamente zero.
– A sério? Mas, ao menos, não vos faltará água para beber!
– A água não é potável: já vem contaminada de Espanha.
– Já não sei se estás a gozar comigo ou não, mas, se não serve para beber, serve para regar – ou nem isso?
– Servir, serve, mas vai demorar vinte ou mais anos até instalarem o perímetro de rega, porque, como te disse, aqui acredita-se que a agricultura não tem futuro: antes, porque não havia água; agora, porque há água a mais.
– Estás a dizer-me que fizeram a maior barragem da Europa e não serve para nada?
– Vai servir para regar campos de golfe e urbanizações turísticas, que é o que nós fazemos mais e melhor.
Apesar do sol de frente, impiedoso, ela tirou os óculos escuros e virou-se para me olhar bem de frente:
– Desculpa lá a última pergunta: vocês são doidos ou são ricos?
– Antes, éramos só doidos e fizemos algumas coisas notáveis por esse mundo fora; depois, disseram-nos que afinal éramos ricos e desatámos a fazer todas as asneiras possíveis cá dentro; em breve, voltaremos a ser pobres e enlouqueceremos de vez.
Ela voltou a colocar os óculos de sol e a recostar-se para trás no assento. E suspirou:
– Bem, uma coisa posso dizer: há poucos países tão agradáveis para viajar como Portugal! Olha-me só para esta auto-estrada sem ninguém!