Vendo aparelhos para musculação…

Um homem bem sucedido morreu e deixou tudo à sua dedicada esposa

gay

Um homem bem sucedido morreu e deixou tudo à sua dedicada esposa.
Ela era uma bela mulher e determinada a conservar a valiosa e enorme herdade que o seu marido lhe deixara, mas sabia muito pouco das actividades agrícolas, por isso, decidiu colocar um anúncio no jornal para contratar um empregado.

Dois homens candidataram-se ao emprego. Um era gay, o outro, um bêbado. Ela pensou muito seriamente sobre o assunto, e, como mais ninguém se candidatou, ela decidiu contratar o candidato gay, pensando que seria mais seguro tê-lo perto de casa do que o bêbado.

Ele demonstrou ser um excelente trabalhador, que fazia longas horas de trabalho por dia e sabia imenso do trabalho da herdade.

Durante semanas a fio, ambos trabalharam muito e a herdade estava um primor. Então, um dia, a viúva disse ao empregado:

– Fizeste um óptimo trabalho e está tudo impecável. Já é tempo de ires até à cidade e divertires-te bastante.

O empregado concordou e no sábado à noite foi até à cidade. No entanto, já eram 2 da manhã e ele não voltava. 3 da manhã, e empregado, nada! Finalmente, pelas 4, lá regressou e à sua espera, sentada à lareira, com um copo de vinho na mão, estava a viúva.

Chamou-o para junto dela e disse-lhe.

– Desabotoa a minha blusa e tira-a, disse ela.

A tremer, desabotoando botão por botão, ele fez o que ela pediu.

– Agora, tira as minhas botas.

Ele fez o que ela disse, muito lentamente.

– Agora, tira as minhas meias.

Ele removeu cada uma com gentileza e colocou-as junto às botas…

– Agora, tira a minha saia.

Suavemente, ele desabotoou-a, observando constantemente os olhos dela à luz do fogo da lareira.

– Agora, tira o meu soutien.

Novamente, com as mãos a tremer, e a respiração ofegante, ele fez o que lhe era dito e deixou-o cair no chão.

– Agora… tira as minhas cuecas.

À luz da lareira, ele puxou-as suavemente para baixo e tirou-as com suavidade.

Então, ela olhou bem para ele e disse-lhe:

– Se voltares a usar as minhas roupas para ir à cidade, DESPEÇO-TE!

________________________________

Ê AMO O MÊ ALENTEJO

alentejano


Uma pesquisadora do IFADAP bate a uma porta num montezinho perdido no
interior do Alentejo e pergunta ao agricultor…
– Esta terra dá trigo?
– Nã senhora – responde o alentejano.
– Dá batata?
– Tamém não!
– Dá feijão?
– Nunca deu um!
– Arroz?
– De manera nenhuma!
– Milho?
– Tá a gozar comigo?!
– Quer dizer que por aqui não adianta plantar nada?
– Ah! Se plantar já é diferente…

Diferentes tipos de Capitalismo

CAPITALISMO IDEAL

Você tem duas vacas.
Vende uma e compra um boi.
Eles multiplicam-se e a economia cresce.
Você vende a manada e aposenta-se. Fica rico!

CAPITALISMO AMERICANO

Você tem duas vacas.
Vende uma e força a outra a produzir o leite de quatro vacas.
Fica surpreso quando ela morre.

CAPITALISMO JAPONÊS

Você tem duas vacas.
Redesenha-as para que tenham um décimo do tamanho de uma vaca normal e
produzam 20 vezes mais leite.
Depois cria desenhinhos de vacas chamados Vaquimon e vende-os para o mundo
inteiro.

CAPITALISMO BRITÂNICO

Você tem duas vacas.
As duas são loucas.

CAPITALISMO HOLANDÊS

Você tem duas vacas.
Elas vivem juntas, em união de facto, não gostam de bois e tudo bem.

CAPITALISMO ALEMÃO

Você tem duas vacas.
Elas produzem leite regularmente, segundo padrões de quantidade e horário
previamente estabelecido, de forma precisa e lucrativa, mas o que você
queria mesmo era criar porcos.

CAPITALISMO RUSSO

Você tem duas vacas.
Conta-as e vê que tem cinco.
Conta de novo e vê que tem 42.
Conta de novo e vê que tem 12 vacas.
Você pára de contar e abre outra garrafa de vodka.

CAPITALISMO SUÍÇO

Você tem 500 vacas, mas nenhuma é sua.
Você cobra para guardar as vacas dos outros.

CAPITALISMO HINDU

Você tem duas vacas.
Ai de quem tocar nelas!!!.

CAPITALISMO ESPANHOL

Você tem muito orgulho de ter duas vacas.

CAPITALISMO BRASILEIRO

Você tem duas vacas e reclama porque o rebanho não cresce…

CAPITALISMO PORTUGUÊS

Você tem duas vacas.
Foram compradas através do Fundo Social Europeu.
O governo cria o IVVA – Imposto de Valor Vacuum Acrescentado.
Você vende uma vaca para pagar o imposto.
Um fiscal vem e multa-o, porque embora você tenha pago correctamente o
IVVA, o valor era pelo número de vacas presumidas e não pelo de vacas reais.
O Ministério das Finanças, por meio de dados também presumidos do seu
consumo de leite, queijo, sapatos de couro, botões, presume que você tenha
200 vacas.
Para se livrar do sarilho, você dá a vaca que resta ao inspector das
finanças para que ele feche os olhos e dê um jeitinho…

CAPITALISMO ANGOLANO

Você tem duas vacas, que cuida com bastante atenção pensando nos lucros.
Você acorda no segundo dia e perde 90% do terreno em que cria as vacas
porque foi confiscado para edificar um condomínio de luxo onde você nunca
poderá comprar uma habitação.
Você acorda no terceiro dia e, por conveniência, só já tem uma vaca porque
agora é sócio de um membro do governo, em 50%, por imposição.
Você acorda no quarto dia e nem vacas nem terras tem mais porque foi tudo
confiscado e atribuído a Isabel dos Santos.

_____

Não foram detectados vírus nesta mensagem.
Verificado por AVG – www.avg.com
Versão: 10.0.1375 / Base de dados de Vírus: 1500/3640 – Data de Lançamento:
05/15/11

AI MANELI… MUITO BOA

alentejano

O jogo das parecenças…

[cid:image003.jpg@01CB4A9D.EA57E1E0]

Atenção das Câmaras Municipais. A Revolta das couves... Portugal no seu melhor!!!

A Revolta das couves… Portugal no seu melhor!!!

Se isto pega em Lisboa, não irá ser necessário importar couves…..uma forma inédita de chamar turistas para ver a capital das couves…o máximo!!!!!!!!!!

A Rua das Couves

Em Várzea de Meruge, Seia, Serra da Estrela, a população cansou-se de pedir ao presidente da Junta que reparasse o piso de uma rua. Vai daí, decidiu plantar couves nos buracos… e agradecer ao presidente e ao seu padrinho em S.Bento. Nunca a frase «atirou com o carro para as couves» fez tanto sentido… Vale a pena ver as imagens. É ainda curto, mas é um sinal de que o povo está aí, já se ouvem ao longe os tambores… um dia a paciência acaba…