A EMPREGADA AFRICANA

médico
A empregada africana, chorando convulsivamente, chega à sala de estar com a mala de viagem na mão e despede-se da patroa que, muito intrigada lhe perguntou:

– Carmélia, que se passa…? Para onde vai?

– Prá junto di minha família, Dona Fror, prá mórrér junto di meus!…

– Mas… o que aconteceu, querida?

– Óh Dona Fro, a sinhora fala sémpre qui seu marido é issilente médico e nunca errou uns dignóstico ná vida…

– Pois é… É verdade… Normalmente, ele nunca se engana no diagnóstico… Mas, o que tem isso a ver com a sua saída de casa?

– Então Dona Fror, é qui o Dr. hoje pela manhã, antes di ir embora, apértou a minha bunda com as duas mão e dissi-mi no ouvido:

– DESTA NOITI NUM PASSAS !!!

PADRE NO MOTEL

padre

Padre (muito cavalheiro) ofereceu à freira uma

carona até o convento, já que estava tarde e a
chuva não demoraria a chegar…
No caminho o carro quebrou. Depois de
caminharem uma hora embaixo de chuva,
avistaram um motel, e o padre sugeriu.

– Irmã, creio que será melhor dormimos aqui
neste motel, e amanhã chamaremos o carro
do convento para nos buscar.

A irmã toda molhada e cansada concordou feliz
da vida!!!!
Na recepção, foram informados que tinham

somente um quarto com uma cama de casal
disponível.

O padre olhou para a freira e disse:
– Sem problemas, a Irmã pode dormir na cama,

que eu durmo no chão.

E assim fizeram.
No entanto, no meio da madrugada, a irmã

acordou o padre dizendo:

– Padre! O senhor esta acordado?
– ( O padre bêbado de sono ) Hein?! Ah, irmã,

o que foi?

– Ah… é que eu estou com frio. O senhor pode
pegar o cobertor para mim?
– Sim, irmã, pois não!


O padre então se levantou, pegou o cobertor

no armário e cobriu a irmã com muita ternura.

Uma hora depois a irmã acorda o padre de novo
dizendo:

– Padre! O senhor ainda está acordado?

– ( O padre babando na gola ) Ah? Ah, irmã,
o que foi agora?
– É que eu ainda estou com frio. O senhor pode

pegar outro cobertor para mim?
Sim irmã.

Mais tarde a freira chama o padre novamente:
– Padre. O senhor ainda esta acordado?
– ( O padre engasgando com o próprio ronco )

Ah? Sim irmã, o que foi agora?

– É que eu não estou conseguindo dormir.
Ainda estou com muito frio.

Finalmente, entendendo as intenções da irmã,

o padre então falou:

– Irmã, só nós dois estamos aqui, certo?
– Certo!
– O que acontecer, ou deixar de acontecer aqui,

só nós saberemos e mais ninguém, certo?
– Certo!
– Então tenho uma sugestão: Que tal se a gente

fizer que nem marido e mulher?

A freira então pula de alegria na cama e diz:


– Sim! Sim! Vamos fazer que nem marido e

mulher!

Daí o padre muda o tom de voz e grita:


– ENTÃO, PORRA! LEVANTA VOCÊ E PEGA A

MERDA DO COBERTOR!

o Corno

corno
O corno estava triste em um bar, olhando fixamente para o seu copo de bebida, quando surge um valentão e chuta a cadeira à sua frente, pega o copo do corno, bebe tudo de uma golada só e diz bem alto pro corno:

– E aí, cara, vai reagir ?

– Reagir ? Eu vou é embora … Não devia nem ter saído de casa ! Imagine, seu moço, que hoje cedo eu briguei com minha mulher, saí de casa com raiva, bati o meu carro, cheguei atrasado no serviço e fui demitido ! Voltei pra casa mais cedo e peguei minha mulher com o vizinho. Aí, eu sento num bar, coloco veneno na minha bebida, e ainda vem um babaca que nem você e toma tudo ! É fogo ! Nem pra me matar eu presto !

O filho anarquista!!!

-Filho, eu descobri estas coisas no teu armário …
-Qual é o problema de ter uma máscara do Anonymous e um taco de beisebol ?
-Usas isso ?
-Não … quer dizer, às vezes ….
-É que preciso delas … emprestas-mas ?
-Precisa ? P’ra quê ?
-É que eu li as coisas que escreveste na internet…

-Leu o meu face ?
-Qual é o problema ? Não é público ?
-É … mas …
-Pois é, li o que escreveste e ….
-Pai eu sei que não gostou do que eu escrevi, mas… eu não vou discutir, são as minhas ideias. Eu sou anarquista e…
-Não … eu achei excelente … convenceste-me.
-Convenci ? … de quê ?
-Está tudo errado mesmo … eu li o que escreveste e concordo, agora eu sou anarquista também, como tu …
-Pai … o quê ? Pai… que história é essa ?
-É, viraste-me a cabeça, temos que quebrar tudo ! Agora eu sou Old Black Bloc !
-O pai não pode… é director de uma empresa enorme e …
-Já não sou! Deixei o meu emprego, mandei o meu chefe levar no … mandei toda a gente levar no ….
-Pai, não pode largar o seu emprego, está há 30 anos lá …
-Posso sim !… aliás vou recrutar gente p’ra ir lá e partir tudo.
-Partir tudo onde ?
-No meu trabalho ! Vamos partir tudo ! Abaixo a opressão ! Abaixo tudo !
-Não pode fazer isso, pai …
-Posso sim ! Emprestas-me a máscara e o taco de beisebol. Vens comigo ?
-Não … acho melhor não ….
-É melhor vires porque agora que eu larguei tudo, vamos ter que sair deste apartamento …
-Sair daqui ? E vamos morar onde ?

-Sei lá ! Vamos acampar em frente a uma empresa capitalista qualquer e exigir o fim do capitalismo !
-Pai, não pode fazer isso, não pode abandonar tudo !
-Já fiz ! Agora, mãos à obra!
-Espere, Pai ! … Pai ! E a minha mesada ? E o meu computador ? E a gasolina do meu carro ? Onde vou morar ?

Volta aqui ! … Volta, Pai ! … Voooooltaaaaaaaaa !"